terça-feira, 25 de julho de 2017

Dois suspeitos são presos em flagrante por pedofilia em Pernambuco


                                     (Reprodução/Internet)
A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira em Pernambuco dois mandados de busca e apreensão que resultaram em duas prisões em flagrante durante Operação Glasnost, que combate a exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet em Pernambuco e mais 13 estados brasileiros.

No computador apreendido na casa dos suspeitos que acabaram presos foi encontrado material pornográfico infantil. As buscas foram feitas em Ouricuri e no Alto do Mandú, no Recife. Os detalhes sobre a operação, o material apreendido, fotos e vídeos da operação em Pernambuco serão repassados após o balanço geral da ação, que acontece em Curitiba, no Paraná.

O objetivo da PF é cumprir ao todo 25 mandados judiciais dentro da segunda fase da Operação Glasnost, que combate a exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet. Trezento e cinquenta policiais cumprem 72 mandados de busca e apreensão, três de prisão preventiva e dois de condução coercitiva em 51 municípios do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Ceará, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Piauí, Pará e Sergipe.

A ação é continuação da operação deflagrada em novembro de 2013, quando foram cumpridos 80 mandados judiciais, entre eles, 30 prisões em flagrante por posse de pornografia infantil. Foram ainda identificados e presos diversos abusadores sexuais, bem como resgatadas vítimas, com idades entre 5 e 9 anos.

A investigação teve como base o monitoramento de um site russo. Ele era usado como “ponto de encontro” de pedófilos de vários países. As investigações identificaram centenas de usuários, brasileiros e estrangeiros, que compartilhavam pornografia infantil na internet, bem como diversos abusadores sexuais e produtores de pornografia infantil.

“Os investigados produziam e armazenavam fotos e vídeos de crianças, adolescentes e até mesmo de bebês com poucos meses de vida, muitos deles sendo abusados sexualmente por adultos, e as enviavam para contatos no Brasil e no exterior”, diz a nota da PF.

O nome da operação, Glasnost, faz referência ao termo russo que significa transparência. A palavra foi escolhida porque a maior parte dos investigados utilizava servidores russos para a divulgação de imagens de menores na internet e para contatos com outros pedófilos ao redor do mundo.

Diário de Pernambuco Com informações da Agência do Brasil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário