terça-feira, 18 de abril de 2017

Deprimida, garota busca ajuda na web e cai no jogo da Baleia Azul

Por Fernanda Bassette  da veja.com                                                                                                                                                                

                                 (//Arquivo pessoal)
Com sintomas clássicos de depressão, entre eles tristeza sem motivo aparente, a adolescente Luana (nome fictício), de 15 anos, moradora da cidade de Vila Rica, a 1.200 km de Cuiabá (MT), procurou nas redes sociais ajuda para enfrentar o problema. Foi navegando em sites e grupos da internet que a garota descobriu o desafio da Baleia Azul (ou Blue Whale) – o jogo online que leva adolescentes vulneráveis a realizarem tarefas diárias, incluindo a automutilação e, como último desafio, a morte.

Luana é aluna do primeiro ano do ensino médio na Escola Estadual Maria Esther Peres, a mesma onde estudava a adolescente Maria de Fátima Oliveira, de 16 anos, que foi encontrada morta na terça-feira (11) em uma represa, supostamente após cumprir a última tarefa do jogo. Maria de Fátima tinha cortes na coxa e braços e deixou cartas que indicariam a participação dela na brincadeira, que surgiu nas redes sociais russas e tem deixado preocupados pais de todo o Brasil. O caso está sob investigação.

Em conversa com VEJA, Luana contou como entrou no universo do jogo. Diz que, há pelo menos dois meses, tem se sentido triste, sem vontade de fazer nenhuma atividade ou ficar perto das pessoas. Até mesmo a escola, que ela adorava frequentar, passou a ser um lugar indesejado. “Comecei a faltar, deixei de fazer trabalhos importantes. Queria me isolar do mundo, estava sem ânimo mesmo”, diz a adolescente.

Desmotivada, Luana foi buscar ajuda na internet em grupos sobre depressão, sobre suicídio, sobre pessoas que não queriam mais viver e passou a acompanhar ao menos 25 deles. Por meio desses grupos, ela fez amigos virtuais, que a convidaram para participar de outros grupos, desta vez no celular.  Foi pelo telefone que ela conheceu o jogo da Baleia Azul. “Eu nunca tinha ouvido falar. Mas começaram a falar sobre isso e enviaram links-convites. No começo, não dei muita atenção”, conta.

Após alguns dias, Luana decidiu entrar no link enviado. Era para participar do grupo Blue Whale. Lá, ela conta que as pessoas falam sobre tristeza, depressão, suicídio. Mandam imagens, vídeos. E, muitas vezes, diz Luana, as conversas somem e o grupo muda de nome, voltando a falar sobre “assuntos normais”. “Às vezes, eles apagam o grupo e mandam convite para um novo. Outras vezes, eles removem todos por segurança e mandam links novos”, afirma a adolescente.

Por curiosidade e por estar deprimida, Luana conta que passou a interagir com as pessoas, perguntando quem era o “curador” (pessoa que coordena o grupo, envia tarefas e monitora o cumprimento delas). Uma mulher se apresentou como curadora e a chamou para uma conversa privada. A adolescente conta que a curadora fez perguntas sobre ela e pediu que cortasse a perna – fazendo um desenho de uma estrela – e enviasse a foto. Só depois disso, ela seria aceita no grupo real.

Há cerca de uma semana, Luana seguiu a ordem e se cortou com um pedaço de lâmina de barbear. Enviou a foto para a curadora e foi aceita no grupo. “Não sei dizer por que eu fiz isso. A partir daí, passaram as instruções, mas eu ainda não fiz nenhuma delas”, diz. A estudante não sabe informar, no entanto, quantas pessoas faziam parte do grupo em que ela entrou e se havia mais pessoas da cidade. “Nunca contei, mas são muitas pessoas, e tem gente do Brasil inteiro.”

Quando questionada sobre o motivo de ir buscar ajuda para se livrar da depressão na internet em vez de falar com a mãe, Luana diz que provavelmente sua mãe não entenderia. “Ela teria dito que é frescura minha, algo do tipo.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

venha anunciar conosco

venha anunciar conosco
divulgue sua empresa sua marca ou seu comercio